Gastronomia

A Gastronomia tem ganhado a cada dia mais espaço no Brasil. Isso tem grande influência do “boom” causado pelos programas de culinária que se tornaram muito populares em todo o mundo, inclusive em nosso país.

Durante o curso, o acadêmico irá estudar sobre panificação, confeitaria, enologia das bebidas, cozinha regional, cozinha europeia, cozinha mediterrânea e várias outras especialidades culinárias. Porém, se engana que pensa que os alunos aprendem apenas a cozinhar pratos saborosos, dentro da grade curricular também se aprende sobre marketing, logística de compras, empreendedorismo, princípios básicos de nutrição, planejamento de cardápio e áreas voltadas para a administração de um estabelecimento.

O curso objetiva desenvolver competências para quem pretende atuar no ramo culinário, também na gestão de empreendimentos alimentícios, sempre buscando levar em conta o contexto em que cada área está inserida.

 

Mercado de trabalho

Mesmo em meio à crise atual de nosso país, o ramo de alimentos nunca para. As pessoas estão sempre em busca de algo mais prático, ou mais saboroso, ou buscam estabelecimentos simplesmente por não terem tempo de fazer comida por conta da correria do dia-a-dia.

Assim, o crescimento de novos empreendimentos é notável e tem se tornado um atrativo. A onda dos food trucks e das panelinhas são um reflexo disso. O profissional formado em Gastronomia dispõe de um grande leque de possibilidades de atuação no mercado, como chef de cozinha (planeja e prepara cardápios em restaurantes comerciais e industriais, hospitalares, bares, bufês e etc), chef pâtissier (especializado em confeitaria e panificação, na preparação de pratos decorados doces e salgados), personal chef (atua como chef de cozinha em residências particulares), consultoria (presta assessoria técnica para a abertura de restaurantes, além de propor melhorias em estabelecimentos já abertos, que pode ser desde uma alteração no layout da casa até a mudança de cardápios e fornecedores), segurança alimentar (realiza vistoria em cozinhas industriais e restaurantes, avaliando se as regras de segurança alimentar estão sendo cumpridas), desenvolvimento de produtos (criar e preparar pratos usando alimentos fornecidos por determinada indústria), gestão do negócio (administrar todo o funcionamento do restaurante, desde a contratação e treinamento de pessoal até os recursos financeiros e contato com clientes).