CPA

1) INFORMAÇÕES GERAIS

A Comissão Própria de Avaliação do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo vincula-se ao Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído pela Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004, que define como elementos constitutivos a avaliação institucional, entre outros.

Com a finalidade construtiva e formativa, o SINAES busca ser permanente e envolver toda a comunidade acadêmica, desenvolvendo a cultura de avaliação em toda instituição de ensino superior.

Esse Sistema fundamenta-se na necessidade de promoção da melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional, da sua efetividade acadêmica e social e do aprofundamento dos seus compromissos e responsabilidades sociais.

Para a realização desses propósitos, o SINAES integra três modalidades principais de instrumentos de avaliação, aplicados em diferentes momentos:

a) Avaliação das Instituições de Educação Superior;

• auto-avaliação – coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA)

• avaliação externa – realizada por comissões designadas pelo Inep.

b) Avaliação dos Cursos de Graduação (processos de reconhecimento e de renovação de reconhecimento);

c) Avaliação de Desempenho dos Estudantes (Enade).

Assim, a Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo integra a etapa da Avaliação das Instituições de Educação Superior, realizando a auto-avaliação ou a chamada avaliação interna.

A CPA, no desempenho de suas atribuições, é responsável pela “condução dos processos de avaliação internos da instituição, de sistematização e de prestação das informações solicitadas pelo Inep”.

Ressalta-se que a CPA é órgão de representação acadêmica e não da administração da instituição.

A CPA do IESRIVER/Faculdade Objetivo avançou em sua atuação em 2005 e, desde então, tem realizado ações no sentido de sensibilizar a comunidade acadêmica sobre seu papel e a importância de todos no processo de avaliação institucional.

Respostas às perguntas “Quem somos?”, “Como estão nossos cursos?”, “O que pretendemos para nossa instituição?”, “Qual a nossa responsabilidade social?”, “Como estamos nos comunicando com a sociedade?” e outras, só serão possíveis através do trabalho da CPA e da participação de todos.

2) OBJETIVOS

A avaliação interna, objeto da Comissão Própria de Avaliação (CPA), “é um processo contínuo por meio do qual uma instituição constrói conhecimento sobre sua própria realidade, buscando compreender os significados do conjunto de suas atividades para melhorar a qualidade educativa e alcançar maior relevância social”.

A avaliação interna ou auto-avaliação é um processo cíclico e permanente, que se desenvolve em algumas etapas.

É preciso ressaltar que a proposta de avaliação interna NÃO pode se tornar um instrumento PUNITIVO ou de PREMIAÇÃO dos indivíduos ou setores da estrutura universitária.

3) ETAPAS DA AVALIAÇÃO INTERNA

São três as etapas que compõem o processo de Avaliação Interna ou Auto-Avaliação.

• PRIMEIRA ETAPA: é a da preparação, do planejamento e da sensibilização;

Preparação

Essa etapa envolve a constituição da CPA, com as funções de coordenar e articular o seu processo interno de avaliação e disponibilizar informações. Todas as CPAs são cadastradas e acompanhadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas em Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES), sendo que a avaliação interna está vinculada ao SINAES.

A CPA deve contar com representantes de todos os segmentos da comunidade acadêmica (representantes dos docentes, dos discentes e do pessoal técnico-administrativo) e da sociedade civil organizada.

Esta fase já foi cumprida e a CPA do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo já está implantada.

Planejamento

A elaboração do projeto de avaliação compreende a definição de objetivos, estratégias, metodologias, recursos e calendário das ações avaliativas.

Como fruto do planejamento da instituição e de sua CPA, existe o PLANO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA DO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE, finalizado em março de 2005.

É esse Plano que sistematiza todas as ações a serem desenvolvidas pela Comissão Própria de Avaliação do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo para o processo de avaliação institucional.

Sensibilização

No processo de auto-avaliação, a sensibilização busca o envolvimento da comunidade acadêmica na construção da proposta avaliativa por meio da realização de reuniões, palestras, seminários entre outros.

Essas ações são coordenadas pela CPA do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo visando o envolvimento de toda a comunidade acadêmica no processo de avaliação da instituição.

• SEGUNDA ETAPA: é a fase do desenvolvimento

No desenvolvimento da avaliação, a auto-avaliação é fundamental para assegurar a coerência entre as ações planejadas e as metodologias adotadas, a articulação entre os participantes e a observância aos prazos.

Esta etapa consiste na execução das ações planejadas, como por exemplo:

– realização de reuniões ou debates de sensibilização;

– sistematização de demandas/idéias/sugestões oriundas dessas reuniões;

– realização de seminários internos para: apresentação do SINAES, apresentação da proposta do processo de avaliação interna do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo, discussões internas e apresentação das sistematizações dos resultados e outros;

– definição da composição dos grupos de trabalho;

– construção de instrumentos para coleta de dados;

– definição da metodologia de análise e interpretação dos dados;

– definição das condições materiais para o desenvolvimento do trabalho;

– definição do formato de relatório de auto-avaliação;

– definição de reuniões sistemáticas de trabalho;

– elaboração de relatórios;

– organização e discussão dos resultados com a comunidade acadêmica e publicação das experiências.

• TERCEIRA ETAPA: é a etapa da elaboração, divulgação e análise do relatório final.

Relatório

O relatório final da avaliação interna deve expressar o resultado do processo de discussão, de análise e interpretação dos dados advindos, principalmente, do processo de auto-avaliação. É para isso que todos os esforços do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo estão sendo direcionados.

Esse relatório tem como destinatários, os membros da comunidade acadêmica, os avaliadores externos e a sociedade.

Último Relatório

Divulgação

A divulgação do relatório pelo Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo deverá ser promovida com uma apresentação pública e a discussão dos resultados alcançados em todas as etapas.

A divulgação dessas informações também deve ser feita no Informativo Objetivo e através da Assessoria de Imprensa da instituição.

Balanço Crítico

Será uma fase que servirá de mecanismo balizador para a avaliação externa, uma vez que a auto-avaliação e uma reflexão profunda sobre a mesma já terá sido promovida pela instituição, através da Comissão Própria de Avaliação (CPA), para toda a sua comunidade acadêmica.

4) DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO

• A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI);

• Ensino;

• Pesquisa;

• Extensão;

• Pós-graduação;

• Responsabilidade social da instituição;

• A comunicação com a sociedade;

• As políticas de pessoal e de carreira do corpo docente e corpo-técnico-administrativo;

• Organização e gestão da instituição;

• Infra-estrutura física;

• Planejamento e avaliação (resultados e eficácia da auto-avaliação);

• Políticas de atendimento a estudantes e egressos;

• Sustentabilidade financeira.

O Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo acredita que a avaliação será capaz de desencadear um processo democrático e participativo, especialmente pela atuação dos membros da Comissão Própria de Avaliação (CPA).

5) RESULTADOS ESPERADOS

Diante da amplitude, globalidade e respeito à identidade institucional, o Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo possui alguns objetivos operacionais a serem alcançados com a instituição de sua Comissão Própria de Avaliação (CPA) e com os processos que envolvem a avaliação interna ou auto-avaliação.

Dentre esses objetivos operacionais, podemos destacar:

– gerar conhecimento para a tomada de decisões dos dirigentes da instituição em relação à melhoria contínua de qualidade dos serviços de educação superior ofertados;

– colocar em questão os sentidos do conjunto de atividades e finalidades cumpridas pela instituição;

– identificar as potencialidades da instituição e as possíveis causas dos seus problemas e pontos fracos;

– aumentar a consciência pedagógica e a capacidade profissional do corpo docente e técnico-administrativo;

– fortalecer as relações de cooperação entre os diversos atores institucionais;

– tornar mais efetiva a vinculação da instituição com a comunidade;

– julgar acerca da relevância científica e social de suas atividades e produtos;

– prestar contas à sociedade sobre os serviços desenvolvidos.

Estes objetivos operacionais permitirão ao Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo, conhecer-se enquanto instituição (autoconhecimento institucional), para ciência de sua própria realidade, detectando seus pontos fracos e fortes.

Colher dados e analisá-los para a orientação na tomada de decisões, visando à melhoria da qualidade de cursos e das atividades desenvolvidas nos diferentes projetos, também serão possíveis.

A CPA e as premissas que envolvem a avaliação interna permitirão, ainda, ao Instituto de Ensino Superior de Rio Verde/Faculdade Objetivo, a realização, permanente, de um diagnóstico de cada curso, visando a identificação de seus problemas e de possíveis mudanças e inovações exigidas pelo mercado de trabalho.

Resumo das principais Ações Acadêmico-Administrativas

6) COMPOSIÇÃO DA CPA

I.    Representantes do Corpo Docente:

Prof.ª Ms. Mara Regina Pagnussat Benke (Presidente)

Prof.ª Esp. Fernando Duarte Cabral

II.    Representantes do Corpo Discente:

Felipe de Faria Barbosa

Stefani Cristina de Almeida

III.    Representantes do Corpo Discente:

Gilson Pereira Evangelista (Assistente de Direção e Coordenações)

Telma Vieira Toledo (Secretária Geral)

IV.    Representantes da Sociedade Civil:

Fabio Trancolin Duarte

Rita de Cássia Ferreira

Contato: cpa@faculdadeobjetivo.com.br